Simone Biles dá uma lição sobre a coragem de dizer "não"




Ao anunciar que está fora da decisão individual e por equipes da medalha olímpica em Tóquio, a atleta norte-americana Simone Biles, 24 anos - considerada a maior ginasta de todos os tempos - nos deixa uma lição de consciência e autocuidado. Desistir da competição de Ginástica Olímpica com um pé no pódio não é para os fracos. E ela foi além: comunicou claramente que a decisão foi baseada na urgência em preservar a saúde mental, abalada pela pressão inerente à atividade esportiva de alta performance.


Ao dizer não para a competição mundial, Simone diz sim para si. Pode ter perdido a possibilidade de levar mais uma premiação, mas certamente ganha valor pessoal e deixa um legado de inspiração para quem sente desconforto em dizer não em situações da vida.


A desistência de uma competição do tamanho das Olimpíadas para uma atleta do nível de Simone Biles é um ato de coragem porque expõe a vulnerabilidade humana. Ao assumirmos nossas imperfeições, nossos problemas, geramos empatia e promovemos admiração e respeito.


Desenvolver o autoconhecimento facilita tomadas de decisões que envolvem escolhas. O medo de dizer não para os outros machuca internamente. É um ato de permissividade que repetidamente leva à infelicidade, insegurança, frustração. O "não" quando dito com justificativa ainda é, sim, um ato de coragem. Quem recebe a negativa pode não gostar, mas inegavelmente leva ao reconhecimento e valorização pessoal daquele que ousou evitar aceitação do que não lhe é caro.


+ Oito passos para desenvolver a Marca Pessoal

+ COMO MONETIZAR A MARCA INDIVIDUAL

+ MARCA PESSOAL E EMPREGABILIDADE




Luciane Bemfica é jornalista, especialista em Gestão e Desenvolvimento de Marcas Pessoais.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo