top of page

Caso Cuca e a gestão de crise


Cuca pediu pra sair em menos de duas semanas no Corinthians, clube-desejo de muitos treinadores profissionais. Não aguentou a pressão da família, da imprensa paulista e das redes sociais impulsionada pelos formadores de opinião. Agora ele é vítima da própria história de mais de 30 anos atrás, quando foi condenado por estupro na Suíça. Tomo a liberdade de usar o caso como exemplo por ser um assunto quente, porém o CPF poderia ser de qualquer outra pessoa que estivesse na mesma situação. Como contornar ou minimizar o estrago na carreira de quem carrega uma mácula? Como fica a marca pessoal?

O fato é que a mancha do passado veio à tona justamente no momento em que o técnico assumiu o comando de uma das marcas mais consolidadas do futebol brasileiro. Do ponto de vista do personal branding, a gestão da imagem de marca e reputação, é preciso agir com rapidez.

Lições de gestão de crise sempre aconselham 3 ações básicas:


  • Rapidez na resposta;

  • Pedir desculpas se conveniente;

  • Dar uma declaração verdadeira, transparente, com humildade sobre o erro.


O agravante das redes sociais, além do cancelamento, ira e ameaça dos haters que se estende à pessoa, à família, ao clube, faz o caso ganhar espaço e sobrevida.

Se Cuca mentiu ao dizer que não foi reconhecido pela vítima como um dos abusadores ele terá que resolver-se com a Justiça Suíça. O prejuízo em termos de imagem profissional e reputação pessoal está feito e será lembrado por um bom tempo.

"Num momento de vulnerabilidade, a única maneira de resgatar a confiança é falar a verdade. Seu discurso deve ser elaborado com informações precisas e opiniões sinceras"

Pedro Tourinho, "Eu, Eu Mesmo e Minha Selfie - Como cuidar da imagem no século XXI".



Luciane Bemfica é jornalista, consultora para Gestão e Desenvolvimento de Marcas Pessoais.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page